O que é governança corporativa e como implementantá-la na sua empresa?

A busca por vantagens competitivas é o segredo para uma empresa avançar e conquistar espaço no mercado. Conseguir essas vantagens é algo invariavelmente associado à inovação e, ainda assim, sabemos que muitas empresas resistem à ideia.

É claro que é importante ter segurança sobre a adoção de medidas inovadoras, mas essa segurança se conquista gradualmente, buscando informações de qualidade e procurando se familiarizar com os temas mais atuais.

Em meio a esse contexto, temos a governança corporativa como uma alternativa que tem cada vez mais provado o seu valor, ajudando as empresas a embarcar em uma jornada de estruturação sólida de princípios que vão culminar em longevidade e sustentabilidade para o negócio.

Entenda agora o que é governança corporativa e saiba quais os passos envolvidos na sua implementação:

O que é governança corporativa?

Podemos dizer que governança corporativa é a gestão da gestão. No entanto, o principal é compreender que se trata de um conjunto de práticas que tem a função de orientar as ações da empresa em direção ao alcance de seus objetivos. Trata-se, portanto, de um sistema cujo propósito é dirigir a empresa — de forma monitorada, disciplinada e por meio de incentivos — para uma tomada de decisão mais assertiva e condizente com os interesses do negócio.

O mais importante por trás dessa jornada que a empresa se propõe a seguir é o comprometimento em implementar estruturas e procedimentos que atuem alinhando as diretrizes e os objetivos da empresa. Só então será possível otimizar a atuação dos vários setores que movimentam o negócio e fazer com que ele caminhe segundo os propósitos da organização.

É importante dizer que não se trata apenas de aspectos operacionais. A governança corporativa envolve questões legais que exercem impacto direto na gestão financeira da empresa, uma vez que sabemos o quanto a conformidade com a lei tem peso no equilíbrio das finanças da corporação.

Como implementar?

O 1º passo é reafirmar os valores essenciais que deverão ser mantidos no negócio, porque isso consolidará a cultura da empresa. Princípios e valores norteiam a conduta dos profissionais, por isso são determinantes quando cultivados em conjunto, compondo a cultura corporativa.

São fatores importantes não apenas pela profundidade que trazem à conduta da empresa, mas sobretudo porque são um fator de criação com alto potencial para impulsionar a mudança. Quando os valores estão equivocados, desalinhados com os objetivos ou pouco claros, seu potencial pode se converter de positivo a destrutivo — o que definitivamente é desinteressante para qualquer empresa.

Transparência, responsabilidade e equidade são alguns dos principais valores priorizados pelas empresas de sucesso, mas ainda existem outros. É importante que a jornada da governança corporativa seja ajustada à realidade de cada negócio.

Um sistema de governança implementado com sucesso em uma empresa não garante que em outra empresa alcance os mesmos resultados, a realidade e todas as peculiaridades em torno do negócio têm grande influência. Por isso, devem ser sempre considerados aspectos da cultura e estrutura organizacional, além de outras especificidades de cada corporação.

O passo seguinte é implementar medidas importantes como o estabelecimento de uma hierarquia clara e a realização e registro de reuniões para acompanhar os projetos que estão em andamento. Além disso, é importante formar um conselho consultivo composto por profissionais experientes, que terão um grande peso na tomada de decisão dos gestores ao longo do percurso da empresa.

Qual a importância?

Falar em governança corporativa implica falar em padrões e relações fundamentadas em estruturas bem definidas. O papel da estruturas é essencial, pois traz uma nova ordem aos processos e encaminha a instituição efetivamente. Mas isso não é tudo.

A governança corporativa envolve também a relação entre sócios, conselho administrativo, diretoria e outros postos de controle. Ela cria meios para que essa interação aconteça de maneira mais tranquila — afinal sabemos que nem sempre a convivência entre todas as partes é harmoniosa e existem episódios de sucessão que podem desequilibrar o negócio.

A governança é, portanto, uma forma de reforçar a longevidade da empresa, assegurando que as mudanças não prejudiquem severamente o desempenho da corporação.

Como influência o andamento dos negócios?

Além de aprimorar os processos administrativos e otimizar o funcionamento de todos os setores, a governança corporativa atribui mais credibilidade para a empresa frente ao olhar dos investidores. É mais seguro investir em uma empresa que conta boas práticas de gestão e princípios alinhados aos interesses do negócio.

Outro ponto importante é a influência que exerce sobre a tomada de decisão, fazendo com que se torne mais estratégica e menos insegura. Solucionar impasses e minimizar riscos são tarefas menos complexas quando se pode contar com um sistema de governança corporativa. Sem contar que a empresa conquista mais valor e garantias de sustentabilidade ao negócio com procedimentos submetidos a padrões bem definidos.

É fundamental que o sistema de governança — com suas regras, estruturas e padrões de funcionamento — faça sentido para a rotina da empresa. Apenas assim será capaz de tornar os processos mais ágeis e transparentes, trazendo mais autonomia para que a empresa atue.

Qual o propósito?

Minimizar os riscos é um dos principais objetivos por trás da implementação de um sistema de governança corporativa. Com processos submetidos a padrões e a aplicação de estruturas bem definidas, uma nova ordem é dada aos procedimentos, fazendo com que se tornem realmente direcionados para contribuir com a estratégia da organização.

Lembrando que os objetivos são definidos logo no início do percurso da empresa no mercado — porém, devem ser revistos com o início da implementação de um sistema de governança. É de suma importância que os objetivos não sejam perdidos de vista ao longo do percurso, e que os princípios e os valores do negócio se desenvolvam alinhados a essas metas.

Alguns dos dispositivos de governança são a criação de diretorias com tema específico — como a diretoria fiscal e a financeira. Isso permite que os processos sejam encaminhados em seus devidos lugares e sob devida supervisão, garantindo que eventuais problemas ou falhas sejam mais facilmente apurados.

A instauração de um conselho administrativo e de um conselho consultivo são dispositivos igualmente importantes e recorrentes na implementação de um sistema de governança. Isso porque possibilitam a geração de relatórios por período, que são ferramentas de gestão imprescindíveis, assim como também são as auditorias e os outros mecanismos de verificação e controle.

Conseguiu compreender melhor o que é e como funciona a governança corporativa? Deixe um comentário com as suas ideias ou as suas dúvidas sobre o tema.

Paulo Ronchetti

CEO ITS

Sem comentários.
Comente