O que é balanced scorecard e como atribuir aos processos logísticos?

Os processos logísticos de uma empresa são fundamentais para seu desenvolvimento e para seu bom relacionamento com o cliente. Afinal, seu incremento resulta em mais agilidade e produtividade e menos custos. E o balanced scorecard é um conceito que convém ser conhecido pelos gestores, de maneira a aperfeiçoar a eficiência logística.

Conheça melhor esse termo e saiba qual é sua importância para os processos de um empreendimento:

O que é balanced scorecard

Balanced scorecard (BSC) é uma estratégia usada para gerir e medir o desempenho de uma empresa. Ela pode ser aplicada a todas as áreas da organização, mas, neste post, falaremos do balanced scorecard aplicado somente aos processos de logística.

Sabemos que, para alcançar melhores resultados, é necessário recorrer ao auxílio da tecnologia da informação, por meio de softwares e sistemas automatizados — como os ERPs ou os Siges, que permitem a total integração entre os diferentes departamentos de uma empresa.

Esses suportes oferecem resultados para a empresa, fornecendo informações e indicadores de desempenho.

Os indicadores de desempenho

O objetivo é identificar as áreas ofensoras, assim como as causas raízes das dificuldades encontradas. Quanto às áreas ofensoras, podem ser setores ou mesmo processos que atrapalham o alcance das metas definidas pela organização.

É necessário decidir qual metodologia usar na rotina empresarial, definindo o melhor indicador de desempenho, e esses indicadores devem estar alinhados às perspectivas da estratégia balanced scorecard:

  • financeira;
  • mercado (clientes);
  • processos e operações internas;
  • inovação, aprendizado e sustentabilidade (crescimento da organização).

Essas perspectivas, unidas, constituem um conjunto unificado, um diagrama de causa e efeito que começa na perspectiva do aprendizado e crescimento e se encerra na perspectiva financeira.

A aplicação dos indicadores de desempenho do BSC aos processos de logística

O uso do balanced scorecard para o desenvolvimento e a definição dos indicadores de desempenho dos processos logísticos envolve 4 áreas:

  • atendimento aos clientes;
    • formas de agradar o cliente e fidelizá-lo, inclusive oferecendo prazos de entrega satisfatórios.
  • gestão de estoque;
    • nível de investimento imobilizado em estoque;
    • tipo de item (matéria-prima, produto acabado, produto semiacabado etc.);
    • e localização na rede.
  • armazenagem;
    • dimensionamento da rede;
    • definição da estrutura física das instalações;
    • quantidade e localização dos armazéns;
    • e tecnologia aplicada.
  • e transporte.
    • modais;
    • e velocidade necessária para conduzir os estoques aos destinos.

Além de definir esses indicadores, todos os processos logísticos deverão ser submetidos à análise crítica para que sua validade seja comprovada.

As etapas para uso adequado dos indicadores do BSC

Primeiramente, deve-se fazer o fluxograma dos processos logísticos. Já tendo escolhido quais serão os indicadores de desempenho, parte-se para a coleta de dados, a qual deve ser cuidadosamente realizada quando se refere às medições de indicadores — afinal, os dados devem representar o desempenho real de todas as operações.

Concluída a medição, o próximo passo é controlar e monitorar os indicadores. O processo de monitoramento e controle também deve ser cuidadoso, visando não somente alcançar as metas mas também definir limites dentro dos quais os indicadores possam apresentar variações.

Na verdade, o alcance das metas e a definição dos limites são dependentes entre si, pois todo gestor que estabelece uma meta para um indicador também está estabelecendo um limite de recursos que serão alocados para que seja possível o cumprimento das metas (será preciso investir recursos nas atividades para que elas sejam desenvolvidas de modo a alcançar aquilo que foi definido previamente).

Toda medição poderá ser usada com a finalidade de melhorar o desempenho das operações logísticas.

A relação básica entre processos, resultados, metas e BSC

A melhor maneira de otimizar os processos da logística é medindo os resultados que eles oferecem, e o gestor competente procura focar nos resultados, pois eles são o clímax de todas as operações logísticas dentro das suas 4 áreas. Esses resultados, por sua vez, são determinados pelas metas — que devem ser monitoradas pelo balanced scorecard.

As vantagens do balanced scorecard sobre a metodologia tradicional

O modelo de gestão tradicional contempla, em regra, as 4 áreas de logística e as atividades estratégicas, operacionais e táticas resultantes de um planejamento bem elaborado.

Um termo muito usado na administração é “trade off”, o qual expressa a dualidade entre nível de serviço e custo. Sua finalidade é, independentemente dos esforços envolvidos, encontrar um meio de reduzir custos e, ao mesmo, aumentar a qualidade do serviço.

Contudo, tais esforços são, muitas vezes, inúteis visto que alguns níveis de serviços almejados sequer são percebidos pelo cliente (é o que se chama de “erro no foco”) ou, o que pode ser ainda mais comum, são serviços direcionados para os clientes errados (erro na execução). A partir desse pressuposto, muitas decisões tomadas pelos gestores são erradas, pois se fundamentam em critérios genéricos e não específicos.

O balanced scorecard, por sua vez, é um sistema mais adaptável, capaz de acompanhar as mudanças estratégicas dentro da empresa e ajustar os processos a elas. Isso permite que a tomada de decisões seja mais frequente e fundamentada não em generalizações, mas sim em dados precisamente medidos e avaliados por meio de indicadores de desempenho. Ou seja, é possível avaliar os resultados e confrontá-los com tudo que foi planejado de maneira bem mais precisa.

No sistema tradicional de avaliação de desempenho, existe uma matriz área × abrangência e, localizados nos pontos de intersecção entre ambas, estão os indicadores de desempenho. Já no sistema BSC, não existe matriz: há um eixo com as estratégias e outro eixo contendo a abrangência e os indicadores de desempenho nas intersecções.

Existe, ainda, outra diferença, pois os indicadores são desenvolvidos com base nas estratégias e alinhados aos processos operacionais, sempre considerando a implementação de uma nova tecnologia ou a mudança nas estratégias.

Dicas para aplicar o BSC aos processos logísticos

Confira algumas dicas para traçar estratégias e medir resultados:

  • defina estratégias de desenvolvimento que a estrutura e os processos atuais de sua empresa possam suportar;
  • ajuste sua abordagem comercial às suas estratégias e valorize os diferenciais competitivos, incluindo a estratégia de distribuição;
  • mensure seu desempenho conforme suas estratégias e as perspectivas do cliente;
  • associe cada item de seu planejamento estratégico a um grupo de indicadores de desempenho apropriado, pois eles dirão qual é o nível de eficiência do planejamento e que impacto ele exerce sobre os resultados.

E então, o que você acha que o balanced scorecard pode fazer pelos processos de logística da sua empresa? Deixe um comentário e compartilhe suas ideias conosco. Aproveite para curtir a página da ITS Group no Facebook.

Domênico Meneguzzi
Sem comentários.
Comente