Empresas horizontais: gestão horizontal como fonte de engajamento

Seja dentro da empresa na qual você trabalha ou até mesmo por meio de outros cases: você provavelmente conhece alguma pessoa que tem ou já teve problemas de performance com a equipe de trabalho. Falta de produtividade, de foco, de comprometimento e, principalmente, de engajamento são algumas das principais queixas de colegas e gestores acerca de seus times que parecem não querer engrenar.

A solução para isso, entretanto, pode ser mais inovadora e exótica do que você pensa: gestão horizontal. Forte tendência dos últimos anos e já em uso dentro de algumas organizações, a empresa horizontal é aquela cuja gestão não se dá da forma hierárquica que conhecemos: não há chefes ou gestores, ou seja, as equipes tomam decisões em conjunto com base no princípio do consenso.

Confira neste artigo por que a gestão horizontal é uma ótima forma de engajar a sua equipe, e saiba como aplicar o modelo de gestão com sucesso.

Quais as principais vantagens de uma empresa horizontal?

Sinergia e engajamento

Imagine se todos os colaboradores da sua equipe estiverem a par de todos os assuntos e satisfeitos com as decisões tomadas acerca deles? A gestão horizontal depende justamente disto: consenso entre as pessoas, colaboração, questionamentos, sugestões e por aí vai.

Nesse formato de trabalho, todos auxiliam no desenvolvimento dos temas, cujos posicionamentos direcionam a tomada de decisões e, por conseguinte, contribuem para a construção de soluções mais robustas.

Otimização de tempo

Todas as decisões são tomadas de forma conjunta, ou seja, além de não haver a necessidade de existirem várias etapas de aprovação de uma medida, dificilmente ocorrerão falhas de comunicação que resultem em retrabalhos com algo que deveria ter sido alinhado corretamente e não foi.

Desenvolvimento da equipe

Como as decisões são tomadas sob o posicionamento e consenso da equipe inteira, todos os colaboradores devem se inteirar mais dos assuntos, problemas e decisões, e isso estimula a agregação de conhecimento e experiência. Além disso, por não haver um gestor pressionando, os colaboradores desenvolvem habilidades de autogestão, como a de administrar seu próprio tempo, suas tarefas, a qualidade das soluções e entregas, entre outros.

Inspiração e motivação

Como funcionários, sabemos que não há nada mais gratificante do que o sentimento de ser essencial em algo importante. Nesse modelo de gestão, cada colaborador é fundamental, pois sua forma de pensar direciona as decisões da empresa.

Somos capazes de discordar, concordar e sugerir, enfim, de ajudar a moldar uma decisão importante que impactará nos negócios da empresa. Teremos autonomia, e isso é incrivelmente motivador.

Como posso implementar o modelo de gestão horizontal no meu ambiente de trabalho?

Embora seja uma poderosa ferramenta de transformação, a implantação do modelo de gestão de uma empresa horizontal é um processo bastante desgastante e trabalhoso, afinal, estamos falando sobre mudar toda a cultura de uma empresa, sobre mudar a forma de pensar das pessoas.

Estas são algumas das práticas essenciais para assegurar que o modelo terá sucesso com a sua equipe:

A atuação dos líderes deve ser reformulada

Sim, o modelo em questão se destaca pela ausência de chefes e de pressão. A figura dos líderes não se desfaz nas estruturas horizontais, mas a sua forma de atuação deve ser repensada.

Ele não toma mais decisões de forma unilateral, pois agora deve haver colaboração e consenso entre toda a equipe, justamente porque o líder compartilha a responsabilidade. Dessa forma, ele precisa ser um facilitador do processo, deixando de lado o tradicional perfil de cobrança, pressão e distribuição de ordens.

Proatividade, criatividade e pensamento estratégico são indispensáveis

Na gestão horizontal, cada colaborador é diretamente responsável pelos rumos que a empresa toma. Agora, desenvolver negócios, criar soluções e resolver problemas são atitudes que não cabem mais somente ao líder ou chefe, mas a toda a equipe.

Dessa forma, é necessário entender o negócio, o mercado onde está inserido e saber identificar e prever situações e problemas, afinal, a responsabilidade de resolvê-los agora é de cada colaborador.

A comunicação deve ser efetiva

Agora não há mais um gestor para cobrar metas, dar ordens e realizar reuniões toda semana, ou seja, a tarefa de lidar com os feedbacks de toda a equipe caberá aos próprios colaboradores.

Nesse caso, necessidade de haver uma comunicação efetiva e bem direcionada é ainda maior do que no modelo de gestão vertical, uma vez que cada colaborador precisará realizar seu próprio networking para promover a construção de determinado pensamento ou solução.

O tempo precisa ser devidamente controlado

Não mais pelo chefe, claro, mas por cada um dos colaboradores — algo que, ao menos em um primeiro momento, pode ser um grande desafio para muitos. Para impulsionar a produtividade e agilidade de todos os processos, os colaboradores devem desenvolver um senso de gestão de tempo eficaz, pois com a autonomia e a falta de cobranças, o risco de perder prazos acaba aumentando.

É preciso avaliar a efetividade do modelo de gestão na empresa

Assim como no modelo tradicional de gestão, a efetividade de determinado método de trabalho ou processo deve ser avaliada cuidadosamente para evitar quaisquer gargalos na operação, identificando e corrigindo problemas.

As empresas horizontais costumam realizar reuniões periódicas com todos os colaboradores para que sejam avaliados os resultados das decisões que vêm sendo tomadas sob esse formato de gestão, prática esta que assegura a melhoria contínua dos processos.

Esteja preparado para lidar com a inadaptação

A falta de adaptação de muitas pessoas é bastante comum em empresas que tentam implantar o modelo de gestão horizontal. Muitos colaboradores acabam se desligando da empresa por diversos motivos: falta de comprometimento, erros operacionais causados por questões como a má gestão de tempo (o que gera atrasos), entre outros.

É necessário realizar a implantação gradual do modelo de gestão, avaliando o quanto a sua equipe está se adaptando à nova mudança. Isso, além de assegurar que a implementação seja efetiva, evita muitas intempéries decorrentes de uma transição muito brusca e mal planejada.

É bastante previsível que a abrangência do modelo de gestão horizontal não para por aqui, afinal, cases de sucesso como o da Vagas.com mostram o quão revolucionário ele pode ser dentro das corporações, o que fortalece ainda mais a tendência. Entretanto, a sua implementação deve ser realizada cuidadosamente para erradicar qualquer possibilidade de falha.

E já que o assunto é mudança, aprimore suas habilidades de gestão e confira neste artigo como implantar uma cultura de inovação entre os colaboradores.

Daiane Rolim
Sem comentários.
Comente