7 tendências tecnológicas para ficar de olho no varejo em 2017

Um dos maiores objetivos de qualquer empresa é se manter competitiva no mercado. Para isso, é preciso estar de olho nas variações de preços, nas estratégias dos concorrentes e, claro, nas tendências tecnológicas do setor.

Em um mundo cada vez mais modernizado, todos os segmentos precisam ter algum tipo de presença tecnológica para que consigam chamar a atenção do consumidor. E, no setor do varejo, as coisas não poderiam ser diferentes.

Na realidade, esse é um mercado em que diversos aspectos já evoluíram bastante, como a facilidade de comprar on-line, por exemplo. Portanto, é preciso que as companhias estejam sempre alinhadas com novas práticas tecnológicas.

Quer conhecer as 7 principais tendências do varejo para 2017? Continue a leitura!

Presença mobile

A presença mobile já é mais do que uma tendência. Atualmente, é uma realidade para qualquer setor em qualquer mercado, pois é considerada uma plataforma dominante.

Dados da pesquisa MPI (Índice Trimestral de Pagamentos Móveis da Adyen) revelam que no Brasil cerca de 15% do total das compras realizadas no último trimestre de 2015 foram feitas por meio de dispositivos móveis.

Em um país onde 61% da população adulta tem acesso a smartphones, o volume de compras mobile só tende a crescer. Para isso, é necessário que as empresas estejam preparadas para fornecer a melhor experiência aos usuários nesses canais.

Esse é um fato que não pode ser ignorado, uma vez que pode resultar em aumentos de lucro significativos.

Omnichannel

O conceito de omnichannel está envolvido com a integração das lojas físicas, virtuais e compradores e visa explorar a interação de todas as formas possíveis. Essa tendência também é uma evolução do conceito multicanal, pois foca completamente na melhoria da experiência do usuário em todos os meios nos quais a marca está presente.

Em resumo, o omnichannel é voltado para atender o cliente com excelência, independente do canal de contato. Para isso, a empresa precisa de um time bem treinado, inteligência nas estratégias, tecnologia atualizada e processos adequados.

Big Data

Big Data nada mais é do que um processamento de enormes volumes de informação em altíssima velocidade. As informações processadas podem ser captadas em diferentes fontes, como uma base de dados, mecanismos de busca, redes sociais, e-commerce e outros.

O objetivo do uso de Big Data é a geração de informações e relatórios de valor para dar suporte aos gestores sobre a tomada de decisões estratégicas e ações de marketing e vendas.

Essas respostas fornecem às empresas uma ampla compreensão das atividades do cliente. Com o uso dessa ferramenta nas redes sociais, por exemplo, você pode entender — em tempo real — qual reação o público-alvo teve ao entrar em contato com determinada campanha de marketing.

Além de ajudar as empresas a ter uma ampla compreensão da jornada do cliente, Big Data também pode auxiliar o varejo na otimização dos processos internos. Ao fornecer inteligência operacional, esses recursos podem ser usados para calcular o tempo médio de permanência de cada produto no estoque, por exemplo.

Era do cliente

Os clientes nunca foram tão importantes para os negócios como são agora. O motivo é que, com o amplo acesso à internet, os consumidores têm a capacidade de fazer longas pesquisas em diferentes sites e estabelecimentos antes de realizar a compra.

Com esse novo padrão de busca é o cliente quem chega até a empresa, e não mais o contrário. Essa forma de abordagem obriga as empresas a atualizarem suas estratégias de marketing, fornecendo aos compradores conteúdo de qualidade e materiais que possam educá-los sobre os produtos que oferecem.

A oferta de conteúdos e materiais aos clientes pode se dar por meio de posts em blogs, vídeos em canais como o YouTube e outros. Os negócios que não se atentarem para essa mudança provavelmente não durarão por muito tempo nesse novo modelo de consumo — justamente por correrem o risco de não ser encontrados pelos compradores.

Customer 360º

Cada vez mais as empresas estão mantendo o cliente como seu foco principal. Essa maneira de pensar, que vem de fora para dentro, engloba a melhoria das práticas da corporação, desde o atendimento até os sistemas de gestão implementados.

Na prática, as organizações estão desistindo de tentar imaginar o que o cliente precisa ou do que ele gostaria. As empresas começaram a se colocar no lugar do consumidor para, só então, oferecer as melhores soluções.

O modo mais comum de obter esse ponto de vista é com o levantamento de informações vindas dos próprios clientes por meio de redes sociais, feedbacks, ferramentas de gestão de relacionamento, comentários em sites etc.

Internet das coisas

Os primeiros 20 anos experimentados do uso da internet foram destinados a aproximar o homem das máquinas. A Internet das Coisas (IoT) surge como um conjunto de tecnologias voltado para otimizar processos e oferecer diferentes experiências para os consumidores.

Com a Internet das Coisas, pessoas, locais e objetos estarão interligados o tempo todo por meio da internet, trocando informações a todo momento. O setor do varejo pode aproveitar muito bem essa nova tecnologia, mesmo que nas lojas físicas.

Por exemplo: logo que um cliente entra na loja, ele pode passar por um reconhecimento facial. Essa câmera analisa se a pessoa é homem ou mulher e, depois da identificação, sugere produtos de acordo com o gênero do cliente.

Essa mesma ideia pode ser utilizada para facilitar a prova de roupas. Ao olhar-se em um espelho virtual que escaneia seu biótipo, o consumidor “prova” e combina peças sem perder tempo e com a facilidade proporcionada pela inteligência artificial.

Realidade virtual

A realidade virtual (RV) é uma tecnologia que pode transformar a maneira como os consumidores se relacionam com lojas, compras e produtos. Fornecendo novas formas de ver, tocar, experimentar e conhecer as mercadorias, a RV oferece ao cliente uma experiência de consumo totalmente nova e evoluída.

Um dos maiores exemplos recentes da implementação dessa tecnologia foi com o Pokémon Go. O jogo de realidade aumentada virou febre no mundo inteiro e tinha como objetivo capturar os pokémons em cenários da vida real.

Com isso, diversas lojas e restaurantes aderiram à brincadeira para atrair jogadores aos seus estabelecimentos, muitas vezes oferecendo recompensas ou descontos para os novos visitantes.

A tecnologia já invadiu o dia a dia de grande parte da população mundial e essa é uma realidade que não pode ser evitada. As tendências tecnológicas estão transformando a maneira de consumir conteúdo, de se comunicar com as pessoas e de realizar compras.

As empresas precisam marcar presença on-line e estar alinhadas a essas tecnologias para garantirem sua sobrevivência no futuro do mercado competitivo. Agora que você conhece as principais tendências do varejo, já pode começar a otimizar suas formas de se destacar entre os concorrentes.

E você, o que achou dessa lista de tendências? Utiliza alguma delas ou tem outras para sugerir? Divida sua opinião nos comentários!

Marco Endres
Sem comentários.
Comente